DROSERA
Miscelânea das demais espécies


O gênero Drosera
pigméias
tuberosas
tropicais australianas
complexo petiolaris
sul-africanas
sul-americanas
as demais

Nesta página apresentamos as demais espécies do gênero, que dificilmente podem ser classificadas em grupos de razoável tamanho ou de razoável diferença das demais. Algumas são nativas de regiões de clima temperado, outras são encontradas no sudeste asiático e Austrália inclusive.




ESPÉCIES

Abaixo estão listadas apenas algumas poucas espécies que não se encaixam nos grupos anteriormente definidos (a maioria comum em cultivo).

>  D. binata

A lâmina da folha é bifurcada, dando à folha a forma de um Y.

Cultivo: facilmente propagada por folhas. São necessários dois espécimes diferentes para que a polinização produza sementes.

D. binata
Cultivada, Marcelo
(Jan/1998)
MAKF

>  D. binata var. dichotoma

A lâmina da folha é bifurcada duas vezes, formando então quatro divisões.


>  D. binata var. multifida

A lâmina da folha bifurca-se várias vezes.

D. binata var. multifida
Cultivada, Sítio Ono
(Ago/1997)
LRP

D. binata var. multifida

Cultivada, Marcelo
As lâminas das folhas praticamente formam um enmaranhado, de tantas que são.
(Jun/1999)

MAKF

D. binata var. multifida
Cultivada, Marcelo
Close das flores
(Dez/1998)
MAKF

>  D. burmannii

Uma das espécies de mais rápida movimentação. É anual. Suas flores são brancas. Parente bastante próxima da brasileira D. sessilifolia, embora estejam dispostas em áreas praticamente opostas do globo terrestre.

Cultivo: pode ser propagada apenas por sementes.

D. burmannii
Cultivada, Sítio Ono
(Ago/1997)
LRP

D. burmannii
Cultivada, Alexandre
(Out/1999)
AGH

D. burmannii
Cultivada, Alexandre
(Out/1999)
AGH

D. burmannii

Cultivada, Alexandre
Close extremo de uma folha. Note como são longos os tentáculos.
(Out/1999)

AGH

D. burmannii

Cultivada, Alexandre
Close da haste floral com botões de flor.
(Out/1999)

AGH

>  D. filiformis

Folhas eretas e compridas, esverdeadas (exceto pelos tentáculos, vermelhos); flores violeta claro. Reduz-se à um hibernáculo no inverno.

D. filiformis
Cultivada, Marcelo
(Jan/1998)
MAKF

D. filiformis
Cultivada, Marcelo
Close de uma flor
(Out/1998)
MAKF

>  D. filiformis var. tracyi

As folhas atingem o dobro da altura e são completamente verdes.


>  D. indica

Espécie muito similar em aparência à Byblis liniflora. Também é anual.

Cultivo: mantenha alto teor de umidade.

D. indica
Índia
(Nov/1998)
FRL

>  D. oblanceolata

É uma espécie do complexo spatulata. Possui folhas semi-eretas, maiores que as da D. spatulata e estigmas bifurcados.

D. oblanceolata
Hong Kong
(Nov/1998)
FRL

D. oblanceolata
Hong Kong
(Nov/1998)
FRL

D. spatulata e D. oblanceolata
Hong Kong (as da direita)
Comparada com a D. spatulata (à esquerda)
(Nov/1998)
FRL

>  D. rotundifolia

É uma das espécies mais amplamente distribuídas de todo o gênero, ocorrendo em praticamente todo o hemisfério norte. Parecida com a D. intermedia quando jovem, exceto que as lâminas das folhas são arredondadas, de comprimento menor que o pecíolo. Forma hibernáculo no inverno.

D. rotundifolia
Cultivada, Linilson
(Dez/1997)
LRP

D. rotundifolia
Vale Hayade, rio Sugi, Japão
(Set/1998)
FRL

>  D. spatulata

Outra espécie de distribuição ampla, ocorre na Nova Zelândia, leste da Austrália, sudeste asiático, até o Japão. Deverá ser quebrada em várias espécies ou sub-espécies num futuro próximo. Bastante resistente, parece-se com uma D. rotundifolia de folhas mais largas - principalmente o pecíolo. Suas flores são da cor rosa ou branco.

D. spatulata
Cultivada, Sítio Ono
(Ago/1997)
LRP

D. spatulata
Cultivada, Marcelo
(Out/1999)
MAKF

D. spatulata
Cultivada, Marcelo
(Out/1999)
MAKF

D. spatulata
Macau
(Nov/1998)
FRL

D. spatulata
Hong Kong
(Nov/1998)
FRL

D. spatulata e D. oblanceolata
Hong Kong (as da esquerda)
Comparada com a D. oblanceolata (à direita)
(Nov/1998)
FRL

>  D. tokaiensis

Esta espécie se originou de um cruzamento entre D. spatulata e D. rotundifolia.

D. tokaiensis
Japão
(Jan/1998)
FRL

D. tokaiensis
Japão
(Jan/1998)
FRL