DROSERA
Espécies TUBEROSAS


O gênero Drosera
pigméias
tuberosas
tropicais australianas
complexo petiolaris
sul-africanas
sul-americanas
as demais

Praticamente todas as tuberosas são nativas da Austrália. Como reserva de alimentos, elas possuem tubérculos subterrâneos. Em alguns casos os tubérculos se encontram a até 1 m de profundidade !

Seu ciclo de crescimento é muito similar ao das pigméias: no verão, seco, apenas o tubérculo sobrevive. Com a aproximação do inverno e das chuvas, começa a crescer um caule, em direção à superfície do solo. Então uma roseta é produzida.

Nessa fase de roseta a planta acumula suas reservas no tubérculo. Essa fase segue até quase o fim da época de crescimento, quando então são produzidos caules aéreos. Esses caules podem ser eretos, trepadeiros, prostrados, etc. - a variedade de formas de crescimento é enorme.

Por fim, a planta floresce. Volta a estação seca e somente o tubérculo sobrevive. Eventualmente, novos tubérculos são produzidos, possibilitando a reprodução assexuada.


CULTIVO

A dificuldade no cultivo das tuberosas está na necessidade da observância de seu ciclo de crescimento: elas necessitam de repouso no verão, quando devem ser protegidas de umidade excessiva.




ESPÉCIES

Numerosas espécies fazem parte deste grupo.

>  D. menziesii ssp. basifolia

D. menziesii ssp. basifolia
Cultivada no Instituto de Botânica da USP
(Set/1994)
FRL

D. menziesii ssp. basifolia
Cultivada no Instituto de Botânica da USP
(Set/1994)
FRL

>  D. peltata

D. peltata
Blue Mountains, a norte de Sidney, Austrália
Um espécime na fase de roseta.
(Set/1999)
LRP

D. peltata
Blue Mountains, a norte de Sidney, Austrália
Espécimes na fase de crescimento do caule.
(Set/1999)
LRP

D. peltata
Blue Mountains, a norte de Sidney, Austrália
Close de uma folha caulinar.
(Set/1999)
LRP