HABITATS NO BRASIL

O Brasil é um dos países mais ricos em diversidade de plantas carnívoras, perdendo apenas para a Austrália.

Até recentemente, pouca pesquisa referente às espécies brasileiras havia sido realizada. Mas, na última década, alguns entusiastas (ainda que infelizmente não muitos) exploraram novas localidades de plantas carnívoras, encontrando muitas espécies que até então eram desconhecidas da ciência.

Grande esforço foi realizado no estudo destas plantas, bem como na sua introdução em cultivo - no Brasil e em diversos outros países espalhados pelo mundo.

    
Localidades
Veja um mapa com indicação dos locais explorados

CS
Pico da Neblina
Pico da Neblina, Planalto Guianense
    

As duas regiões mais ricas em plantas carnívoras no Brasil são o Planalto Guianense (na fronteira com Venezuela e Guiana, famoso por suas incríveis paisagens, com montanhas achatadas no topo - chamadas de Tepuis, cachoeiras gigantes, etc.); e os planaltos espalhados pela região central e sudeste, dos quais fazem principalmente a Cadeia do Espinhaço (Minas Gerais e Bahia).


Todos esses planaltos possuem uma mesma geologia: são formações rochosas antigas, datadas do período pré-cambriano, que atingem até 3.000 m de altura. A vegetação também é similar: consiste de plantas herbáceas, arbustos e árvores retorcidas, crescendo em solos arenosos ou rochosos ou até em rocha pura. Bem adaptada à frequentes queimadas da estação seca, essa vegetação recebe o nome de Campo Rupestre, famosa por sua enorme diversidade.

     LRP
Campo Rupestre
Campo Rupestre

A biodiversidade da flora de campos rupestres é realmente fantástica, e a grande quantidade de micro-habitats resulta em estranhezas do tipo cactos (notórios por serem de regiões áridas) crescendo à apenas um metro de distância de plantas carnívoras (notórias por serem, na maioria, de brejos).

A temperatura é mais ou menos constante no decorrer do ano, portanto não há muita diferença entre verão e inverno nos campos rupestres. De dia, a temperatura fica entre 20 e 35 ºC, e entre 5 e 15 ºC de noite.

Há sim, grande diferença entre a "estação chuvosa" e a "estação seca". Na estação chuvosa, os campos ficam cobertos por incontáveis "brejos", que secam completamente na estação seca. O orvalho da manhã é uma fonte de água importante para muitas plantas, principalmente na estação seca. E, como a água desses "brejos" é água corrente, apresentando movimento constante, ela é meio fria mesmo nos esturricantes dias mais quentes.

FRL
Utricularia breviscapa, hydrocarpa e gibba
Utricularia - Baía Bonita
    

Os campos rupestres são o lar da maioria das plantas carnívoras do Brasil. Mas elas são encontradas em outros tipos de vegetação também. Por exemplo, algumas aquáticas são nativas do Pantanal Mato-Grossense bem como dos Igarapés da Floresta Amazônica.

Algumas espécies terrestres são nativas das Restingas das planícies costeiras. Há também o Cerrado, uma vegetação tipo savana, e as Veredas, regiões alagadas fronteiriças de florestas densas, que são facilmente identificadas pelas palmeiras Buritis (Mauritia vinifera).

     FRL
Buritizal
Buritizal
FRL
Caatinga
Caatinga
    

Muitas outras espécies são nativas da Mata Atlântica (costa sudeste), Caatinga (nordeste), Pampas (sul), etc.




A seguir, listamos (em ordem alfabética) alguns lugares (geralmente parques, reservas, etc.) em que plantas carnívoras foram encontradas:

>  Serra das Almas, Bahia

>  Parque Nacional Aparados da Serra, nordeste do Rio Grande do Sul

>  Arinos, Minas Gerais

Buritizal
Um exemplo de "buritizal", aonde também carnívoras crescem.
(Abr/1999)
FRL

>  Serra da Bocaina, divisa de São Paulo e Rio de Janeiro

Bromélia
Bromélia
FP

Vriesia hieroglyphica
A famosa bromélia Vriesia hieroglyphica.
(Jun/1999)
FP

Epifitismo
Na montagem, um exemplo de epifitismo.
(Jun/1999)
FP

Parasitas
Parasitas.
(Jun/1999)
FP

>  Serra do Caiapó, sudoeste de Goiás

Carcarás
Carcarás se alimentando.
RKS

>  Campos do Jordão, São Paulo

Araucaria angustifolia
Araucaria angustifolia
(Jun/1999)
FRL

Araucaria angustifolia
Um campo de Araucaria angustifolia
(Jun/1999)
FRL

Campos do Jordão
(Out/1999)
MAKF

>  Serra da Canastra, sudoeste de Minas Gerais

Veados
Veados
(Abr/1999)
FRL

Cascavel
Cascavel
(Abr/1999)
FRL

Carcará
Carcará
(Abr/1999)
FRL

Eriocaulaceae
Eriocaulaceae
(Abr/1999)
FRL

Velloziaceae
Velloziaceae
(Abr/1999)
FRL

>  Serra do Caparaó, divisa de Minas Gerais e Espírito Santo

>  Serra do Caraça, região central de Minas Gerais, à leste de Belo Horizonte

>  Serra do Cipó, região central de Minas Gerais

Serra do Cipó
(Jun/1996)
LRP

Serra do Cipó
(Jun/1996)
LRP

Serra do Cipó

Este é um monte localizado logo na entrada do parque, possuidor de uma geologia bastante peculiar, própria - nenhum outro monte da Serra possui suas características.
(Jun/1996)

LRP

Serra do Cipó
(Jun/1996)
LRP

VFT

A "Dionaea brasileira". Na verdade ela nem sequer é carnívora. Mas é muito parecida com a verdadeira.
(Jul/1995)

FRL

Lagarto
Um pequeno lagarto.
(Jul/1999)
MAKF

>  Cuiabá, centro-sul do Mato Grosso

Sagüi
Sagüi
(Fev/1994)
FRL

Paca
Paca
(Fev/1994)
FRL

Capivaras
Capivaras
(Fev/1994)
FRL

>  Chapada Diamantina, região central da Bahia

Audrey 2

Uma espécie vegetal bastante parecida com o personagem "Audrey II" do filme "A Pequena Loja dos Horrores", aonde ela é um dos protagonistas principais, uma gigantesca planta carnívora que se alimenta de carne.
(Jul/1995)

FRL

Chapada Diamantina
(Ago/1995)
FRL

Chapada Diamantina
Cachoeira da Fumaça
(Jan/1993)
FRL

Catolés
Catolés
(Jul/1995)
FRL

>  Diamantina, região central de Minas Gerais

Paepalanthus
Paepalanthus
(Jul/1999)
FRL

Leiothrix curvifolia var. lanuginosa
Leiothrix curvifolia var. lanuginosa
(Jul/1999)
FRL

Noranthea adamantinum
Noranthea adamantinum
(Jul/1999)
FRL

Noranthea adamantinum

Noranthea adamantinum
No término de cada pedicelo há uma estrutura muito parecida com os ascídios das plantas carnívoras, mas que na verdade contém néctar.
(Jul/1999)

FRL

>  Serra Dourada, centro-oeste de Goiás

Tucano
Tucano
RKS

>  Parque Nacional das Emas, sudoeste de Goiás

Tamanduá-bandeira
Tamanduá-bandeira
(Jul/1991)
FRL

Emas
Um grupo de emas.
RKS

Ema
Ema
(Abr/1999)
FRL

Ema
Ema
(Jul/1991)
FRL

Parque Nacional das Emas
(Abr/1999)
FRL

>  São Gabriel da Cachoeira, divisa entre Brasil, Venezuela e Colômbia

Podostemaceae
Podostemaceae
(Dez/1998)
FRL

>  Grão-Mogol, norte de Minas Gerais

Pilosocereus fulvilanatus
Pilosocereus fulvilanatus, uma espécie de cacto colunar, em fruto.
(Jun/1994)
FRL

>  Chapada dos Guimarães, centro-sul do Mato Grosso

Chapada dos Guimarães
(Fev/1994)
FRL

Chapada dos Guimarães
(Fev/1994)
FRL

>  Serra de Ibitipoca, sudoeste de Minas Gerais

>  Itacambira, norte de Minas Gerais

Dyckia
Bromélias do gênero Dyckia.
(Jul/1999)
FP

>  Jacarací, sul da Bahia, aonde termina a Cadeia do Espinhaço (MG) e começa a Chapada Diamantina

Morro do Chapéu
Morro do Chapéu
(Jul/1999)
FRL

Lagarto
Morro do Chapéu.
Um lagarto.
(Jul/1999)
FP

>  Jataí, sudoeste de Goiás

Serra da Torre
Tamanduá-bandeira
RKS

>  Lapinha, próxima à Serra do Cipó

Lapinha
(Jul/1999)
FRL

Lapinha
(Jul/1999)
FRL

Leguminosae
Leguminosae
(Jul/1999)
FRL

>  Serra da Mantiqueira, nordeste de São Paulo

>  Serra do Mar, sudeste de São Paulo

>  Monte Azul, norte de Minas Gerais

Monte Azul
(Jul/1999)
FRL

Cavanillesia arborea
A gigantesca Cavanillesia arborea.
(Jul/1999)
FP

>  Pico da Neblina, o ponto mais alto do Brasil, na divisa com Venezuela e Colômbia

Pico da Neblina
(Dez/1998)
CS

Pico da Neblina
(Dez/1998)
FRL

Saccifolium banderae
Saccifolium banderae
(Jan/1999)
FRL

>  Serra dos Órgãos, Rio de Janeiro

Tarântula
Tarântula
(Fev/1996)
FRL

>  Pantanal Mato-Grossense

Quati
Quati
(Jul/1992)
FRL

>  Pedra Aparada, sudoeste de Goiás

Pedra Aparada
(Abr/1999)
FRL

>  Pedra Menina, região central de Minas Gerais

Pseudobombax
Pseudobombax
(Jul/1999)
FRL

Serra da Torre
Serra da Torre
(Jul/1999)
MAKF

Serra da Torre
Serra da Torre
(Jul/1999)
FP

Serra da Torre
Serra da Torre
(Jul/1999)
FRL

Serra da Torre
Serra da Torre
(Jul/1999)
FRL

Serra da Torre
Serra da Torre
(Jul/1999)
FRL

Parasita
Serra da Torre
Uma espécie vegetal parasita.
(Jul/1999)
MAKF

Tillandsia
Uma bromélia do gênero Tillandsia.
Serra da Torre
(Jul/1999)
FP

Orquídeas
Orquídeas.
Serra da Torre
(Jul/1999)
FP

Laelia crispata
Laelia crispata
Serra da Torre
(Jul/1999)
FRL

Ipê amarelo
Ipê amarelo
Serra da Torre
(Jul/1999)
FRL

>  Serra dos Pirineus, região central de Goiás, entre Goiânia e Brasília

Serra dos Pirineus
(Abr/1999)
FRL

>  Serranópolis de Minas, norte de Minas Gerais

Micranthocereus violaciflorus
Micranthocereus violaciflorus, uma espécie de cacto colunar.
(Jul/1999)
FRL

Serranópolis
(Jul/1999)
FRL

Serranópolis
Exemplo de vegetação de caatinga.
(Jul/1999)
FRL

Serranópolis
(Jul/1999)
FRL

Euphorbia
Uma espécie de Euphorbia que bem lembra os cactos colunares arbustivos.
(Jul/1999)
FP

>  Ubatuba, litoral de São Paulo

Sophronitis cernua
Sophronitis cernua
FP

>  Chapada dos Veadeiros, nordeste de Goiás

Chapada dos Veadeiros
(Fev/1993)
FRL

Eriocaulaceae
Eriocaulaceae.
(Abr/1995)
FRL

Eriocaulaceae
Eriocaulaceae.
(Abr/1995)
FRL

>  Grande Sertão Veredas, noroeste de Minas Gerais

Araras
Araras
RKS

Maritacas
Maritacas
RKS